Artigos

Ivan Camargo assume a UnB em cerimônia lotada

Categoria: noticias
Escrito por Grace Perpetuo

Novo reitor homenageia o pai ao tomar posse em auditório lotado no Ministério da Educação, ao lado da família, em cerimônia que contou com a presença de deputados, senadores, professores, alunos e servidores

Fotos: Mariana Costa
Publicada em: www.unb.br

Foto: Mariana CostaSob intensos aplausos, Ivan Camargo assinou nesta terça-feira, 20 de novembro, ao lado do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, o termo de posse que o oficializa como dirigente máximo da Universidade de Brasília. “A UnB é a minha vida”, resumiu o novo reitor, após um discurso emocionado em que homenageou o pai e reiterou os compromissos feitos durante o processo de consulta, organizado pela comunidade acadêmica, no qual foi escolhido por professores, alunos e servidores, há dois meses, antes de ser indicado pelo Conselho Universitário. Nesta quarta-feira, 21, haverá transmissão de cargo para o novo reitor Ivan Camargo no Centro Comunitário Athos Bulcão, às 9h30, em cerimônia aberta à comunidade.

A solenidade desta terça-feira foi realizada no Salão de Atos do Ministério da Educação (MEC) e contou com a presença, na mesa, do ex-reitor José Geraldo de Sousa Junior, que deixa o cargo, além da coordenadora-geral de Planejamento e Orçamento das Instituições Federais de Ensino Superior do MEC, Maria Fernanda Bittencourt, representando o secretário de Educação Superior, Amaro Lins. Estavam também presentes os ex-reitores Cristovam Buarque, Lauro Morhy e Antônio Ibañez Ruiz – entre autoridades, representantes de entidades de educação, decanos em início e fim de gestão, professores, diretores de institutos e faculdades da UnB e familiares do novo dirigente.

Durante o seu primeiro discurso como reitor, Ivan ressaltou seus laços profissionais e afetivos com a UnB. “Fui aluno da Universidade de Brasília e faço parte dos inúmeros exemplos que comprovam que ela está cumprindo a sua missão: a de formar quadros preparados para buscar soluções democráticas para os projetos nacionais”, disse, revelando, em seguida, o quanto a história de sua família está entremeada à instituição: a esposa, Gisele, formou-se em Biblioteconomia; a filha Natalie é estudante de Medicina; a filha Laura, de Arquitetura; o filho Felipe, de Engenharia Ambiental; e os irmãos Jorge, formado em Geologia, e Ricardo, graduado em Engenharia Mecânica – todos na UnB. “Nossa ligação com a Universidade é antiga e profunda”, reiterou Ivan. “Acho que a família fez uma cota na Universidade”, brincou o ministro Aloizio Mercadante, arrancando risos dos presentes.

Em seu discurso, o novo reitor agradeceu também pelo trabalho da professora Sônia Báo – “que aceitou a difícil tarefa de ser vice-reitora e representa os nossos compromissos com a instituição, com a pesquisa e com a extensão” – e pelo trabalho das equipes de decanos que estão saindo e chegando, observando estar “consciente da demanda e das dificuldades que vamos enfrentar juntos”. Ivan disse ainda representar todos os professores da UnB e saudou o seu corpo de estudantes, “nosso maior patrimônio”: “Todo o nosso trabalho, meus caros estudantes, será dedicado à sua formação completa, de ensino, pesquisa e extensão”, disse.

Ivan reiterou que o maior compromisso de sua gestão é com a sociedade. “Espero que a Universidade de Brasília seja uma referência acadêmica, que esteja à frente de seu tempo, que nossos egressos sejam muito bem formados e que ajudem, aqui em Brasília, a resolver os problemas nacionais”, disse. Para ilustrar os desafios que se anunciam logo adiante, fez perguntas aos presentes. “Que universidade teremos daqui a 20 anos? Como atuar no ensino básico? Quais serão os avanços da tecnologia? Como supriremos a crescente demanda por energia? E como resolver esses problemas todos de forma sustentável e equilibrada socialmente?”, indagou.


Ivan manifestou também comprometimento para com o atual governo brasileiro. “Ministro Mercadante, o senhor terá um parceiro na reitoria da UnB: continuaremos a usar a nossa autonomia e a diversidade de pensamento que caracteriza a Universidade de Brasília para criticar e apoiar as diversas ações do governo federal”, disse.

Por fim, o novo reitor da Universidade de Brasília emocionou-se ao fazer uma rápida homenagem ao pai, o general José Maria Camargo, que vive no Rio de Janeiro e não pôde comparecer à solenidade em razão de sua idade. “Meu pai é o exemplo que eu quero seguir: se daqui a 30 anos os atuais estudantes da Universidade de Brasília se lembrarem de mim com respeito e carinho, terei cumprido a minha missão”, disse, com voz embargada.

LEALDADE – Durante a solenidade de posse, o ex-reitor José Geraldo Sousa Junior ressaltou o momento histórico que a UnB vive, no ano de seu cinquentenário, marcado por forte expansão e pela intensa reafirmação de seu valor. “A UnB é hoje um dos patrimônios acadêmicos mais valiosos do país: posso afirmar com tranquilidade, aqui no MEC – que bem conhece o desempenho das instituições de ensino –, que a Universidade da capital do país se situa entre os mais elevados patamares de classificação de todos os indicadores de qualidade oficiais ou privados, nos quais aparece em uma contínua e ascendente evolução”, disse.

O ex-reitor observou também que, “erguida sob os olhos atentos de seu idealizador Darcy Ribeiro, a UnB – antes restrita ao Plano Piloto – hoje é multicampi e chegou territorialmente a Ceilândia, Gama e Planaltina, exercendo um papel transformador na realidade dessas comunidades”.

Para ele, a forte expansão que marcou sua gestão consolida e se mantém “fiel ao princípio utópico do projeto formulado pelo antropólogo Darcy Ribeiro, junto com o educador Anísio Teixeira e outros intelectuais, de fazer uma universidade completa”. Desta forma, reiterou José Geraldo, a UnB é hoje uma universidade mais complexa, plenamente “policêntrica, democrática, emancipatória, inclusiva e de qualidade, integrada aos grandes objetivos estratégicos nacionais”.

Além disso, o ex-reitor essaltou também que, a seu ver, um dos aspectos mais importantes da gestão que se encerra é o “apaziguamento da Universidade, que vivenciou uma das maiores crises de sua história e agora retoma um lugar plural de construção de valores”. Em nome da equipe que deixou a reitoria da UnB nesta terça-feira, José Geraldo desejou sucesso ao novo reitor Ivan Camargo em sua gestão, reafirmando votos de lealdade ao “projeto utópico da Universidade de Brasília”.

EXPLOSÃO – “Quem aqui é ex-aluno, que levante a mão”, provocou o ministro Aloizio Mercadante nesta quarta-feira, com um sorriso, para ilustrar o quanto a UnB já permeia a vida acadêmica de diversas gerações de brasileiros. Foi saudado por uma profusão de acenos entusiasmados.

“Todos aqueles que acompanham a vida acadêmica do Brasil sabem da importância histórica e decisiva que a UnB tem entre as universidades brasileiras – não só pela forma como foi concebida, pela genialidade, pela criatividade, pelo compromisso de brasilidade dos que a desenharam, mas porque tem um papel que vai além das outras universidades, por estar na capital da República”, disse o ministro, para quem a UnB pode contribuir para a formulação das políticas públicas, ajudando a formulá-las, “acompanhando, debatendo e criticando, numa reflexão acadêmica que é indispensável à sua qualidade”.

Para Mercadante, outras importantes dimensões da Universidade são sua contribuição à formação de quadros estratégicos para o estado brasileiro e sua relação com o ensino básico. “Este é o grande desafio das universidades públicas, especialmente das federais”, disse Mercadante, dizendo esperar que a política de cotas resulte definitivamente na melhor formação dos professores da rede pública. Segundo o ministro, a lei de cotas irá de fato revolucionar o ensino superior público no Brasil, que caminha rumo a uma sociedade do conhecimento: “Há uma demanda explosiva por educação no Brasil e por qualidade na educação”, disse o ministro. Leia mais aqui sobre o discurso de Mercadante.

EDUCAÇÃO BÁSICA – Aloizio Mercadante confirmou, ainda nesta terça-feira, que o secretário de Educação Básica Cesar Callegari deixa a pasta até o final do ano. O ministro declarou que Callegari alegou problemas pessoais para retornar a São Paulo. O secretário está no cargo desde fevereiro. Ele é sociólogo e foi membro do Conselho Nacional de Educação (CNE) e secretário municipal da Educação de Taboão da Serra, na Grande São Paulo. “O secretário disse que não tem pressa e pediu para sair porque vai reassumir as aulas no Serviço Social da Indústria, no próximo ano”, explicou.